46% dos brasileiros aumentaram as compras online e 7% compraram na internet pela primeira vez.

Somente no primeiro semestre de 2020 as compras online tiveram um aumento de 47% em seu faturamento.

Quando foi a sua última compra on-line? Ontem, hoje? Em 2020 o hábito de fazer compras “com apenas um clique” cresceu e concretizou uma tendência que já se apresentava como o futuro do consumo mesmo antes da pandemia. A praticidade do e-commerce e a variedade de produtos oferecidos levaram a um aumento de 22,2% nas transações do comércio eletrônico no Brasil, crescimento mais rápido dos últimos cinco anos. 

Os dados são do estudo “The Global Payments Report 2021 ”, conduzido pela Worldpay from FIS. A provedora de soluções em tecnologia financeira mapeou as principais tendências em pagamentos e e-commerce em 41 países.

Entre as formas de pagamentos online, cartões de crédito (43%) e carteiras digitais (17%) foram os métodos mais populares no país. Celulares e smartphones são os canais de acesso mais comuns e crescem rapidamente, podendo alcançar uma taxa de 17% ao ano até 2024.

Em outra pesquisa, a Mastercard e a Americas Market Intelligence (AMI) apontam que em 2020, 46% dos brasileiros aumentaram as compras online e 7% compraram na internet pela primeira vez. Somente no primeiro semestre de 2020, o e-commerce nacional teve um aumento de 47% em seu faturamento, conforme informações da Ebit – Nielsen. Compras em supermercados online e itens para o home office tiveram grande destaque. 

De acordo com a Betalabs, empresa especializada na oferta de soluções para e-commerce, entre os segmentos que mais utilizaram seus serviços estão “Móveis”, “Bebidas”, “Livros”, “Alimentos” e “Vestuário”. Grande parte fica na região Sudeste (39,52%), mais precisamente, quatro em cada dez lojas virtuais  são sediadas em São Paulo. Logo atrás, Rio de Janeiro (10,49%), Minas Gerais (9,86%), e na sequência os três estados do Sul: Paraná (7,07%), Rio Grande do Sul (6,17%) e Santa Catarina (5,2%). Bahia (3,19%), Goiás (2,21%), Distrito Federal (2,19%) e Pernambuco (2,11%) finalizam a lista dos 10 estados com maiores índices.

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Neotrust, o crescimento nas vendas online foi de 68% na comparação com 2019, elevando de 5% a 10% a participação do e-commerce no faturamento total do varejo nacional . A associação estima que em 2020, 150 mil lojas passaram a vender também por meio das plataformas digitais. 

Com este cenário positivo para as vendas online, espera-se que em 2021 o e-commerce amadureça ainda mais: de acordo com estudo da empresa de ciência de dados dunnhumby, 59% dos novos e-shoppers continuam comprando online, o que deve trazer um aumento de 26% nas vendas do e-commerce, rendendo um faturamento de R$110 bilhões, conforme prevê a Ebit – Nielsen.